Itaipu Binacional assina ordem para iniciar modernização tecnológica


A execução do projeto tem previsão de duração de 14 anos a um custo total de US$ 900 milhões.

A hidrelétrica de Itaipu Binacional assina hoje, sexta-feira (29), um contrato de R$ 3,7 bilhões com o Consórcio CMI – formado pela GE e as empresas paraguaias Tecnoedil e CIE – para a execução dos serviços de atualização tecnológica das unidades geradoras da usina.

O processo será dividido em duas etapas. A primeira tem duração prevista de quatro anos e abrange a elaboração dos projetos executivos, fabricação, testes em fábricas.

A segunda fase inclui a substituição de equipamentos e sistemas de supervisão, controle, proteção, monitoramento, medição e suas respectivas interfaces com os processos de geração, subestações, vertedouro e com os equipamentos auxiliares da barragem e da casa de força. A expectativa de Itaipu é atualizar os sistemas de duas unidades geradoras por ano. Como são 20 unidades, a estimativa é que esta fase seja executada em dez anos.

Equipamentos pesados, como turbinas e geradores, não são substituídos, pois têm um ciclo de vida mais longo.

Desde que entrou em operação comercial, em maio de 1984, a Usina Hidrelétrica de Itaipu já produziu mais de 2,8 bilhões de MWh. Passados mais de 37 anos de produção ininterrupta, a usina continua a apresentar bons indicadores. A manutenção do desempenho, porém, tem se tornado cada vez mais complexa. Sistemas e equipamentos elétricos e eletrônicos, projetados para durar 30 anos, já operam há quase 40 anos. Muitos estão tecnologicamente obsoletos, sem sobressalentes no mercado. Em alguns casos, o fabricante nem existe mais. Isso implica em um risco cada vez maior de que eventuais falhas impactem a produção de energia e a segurança operacional da usina.

O investimento total estimado, considerando as demais contratações necessárias, ações estruturantes executadas pela própria Itaipu e despesas com gestão, deve superar US$ 900 milhões.

 

Com informações do Portal Bem Paraná.

Compartilhe: