ONS prevê chuvas abaixo da média para o mês de agosto


Próxima semana terá pequena melhora, mas o mês deverá fechar abaixo da média histórica do período.

Informação divulgada ontem (29/07) pelo Operador Nacional de Sistemas (ONS) prevê para o mês de agosto um pequeno aumento da afluência de águas nas represas de três regiões do país. Apesar desse aumento na estimativa, em agosto as chuvas ficarão abaixo da média histórica em todas as regiões.

Para a região Norte a previsão para o período de 30 de julho a 05 de agosto está previsto que as afluências atinjam 89% da média histórica, nos sete dias anteriores o índice foi de 85%. Na região Sul o período anterior registrou 76% da média e agora a previsão é que chegue aos 80%.

Os reservatórios do Sudeste/Centro-Oeste devem receber nos próximos dias 67% da quantidade de água registrado em anos anteriores, uma melhora de 2% em relação a esta semana que está terminando.




Para a região Sul do país a previsão é que as afluências cheguem na próxima semana a 80% da média histórica, sendo que a semana anterior registrou 76% da média.

Apenas a região Nordeste deve apresentar diminuição da quantidade de água que entra em seus reservatórios, a estimativa é que chegue a 67% da média, contra 70% registrados na semana anterior.

O avanço de uma nova frente fria pelas regiões Sul e Sudeste no final da próxima semana ocasiona chuvisco/chuva fraca nas bacias dos rios Jacuí, Uruguai e em pontos isolados do Iguaçu.




A previsão é que o reservatórios do Sudeste/Centro-Oeste devem encerrar agosto com 53,1% de seu volume máximo. No mesmo mês de 2021 os reservatórios destas regiões estavam com 21,28% de sua capacidade. Os reservatórios das usinas hidrelétricas localizadas no Nordeste devem alcançar 75,9% e as do Sul 72,6%. Pelas estimativas, no Norte os reservatórios deverão atingir 89,8% da capacidade da região.

No período de 23/07, sábado, até ontem sexta-feira, 29/07, a Represa de Furnas perdeu 30cm de seu nível, correspondendo a 2,02% de seu volume, que estava em 75,69% e baixou para 73,67%.

 

Fonte ONS.

Compartilhe: