ONS prevê para maio afluências abaixo da média histórica para a região Sudeste


Para a região Sul do país é prevista uma afluência de 147% da meia histórica.

O boletim do Programa Mensal de Operação (PMO) do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), para a semana entre 30 de abril a 06 de maio, traz projeções positivas para as afluências no Sul do país, ou seja, a chuva que de fato cai nos reservatórios das usinas hidrelétricas.

Mesmo o período seco já tendo iniciado, a região destaca-se com a expectativa de registrar 147% da Média de Longo Termo (MLT) no quinto mês do ano. A indicação é de que os outros três subsistemas apresentem índices menores. O Norte, com 98%; Sudeste/Centro-Oeste, com 69% e o Nordeste com 49% da MLT.

As sinalizações meteorológicas indicam para a próxima semana operativa nas capitais das regiões Sudeste/Centro-Oeste e Sul, declínio das temperaturas em relação às observadas nesta semana. Para essas regiões também é esperada a ocorrência de chuvas na próxima semana, em consequência da atuação de frentes frias previstas para a semana.

As capitais dos subsistemas Nordeste e Norte seguem em condições de estabilidade em relação ao comportamento observado na semana corrente, com registro de temperaturas elevadas e ocorrência de chuva em todos os dias.

AS previsões para o dia 31 de maio, apontam que os reservatórios seguirão com bom armazenamento de água. O subsistema Sul chegará a 84,6% de sua capacidade máxima: uma recuperação de 198,62% nos últimos três meses, quando os volumes estavam marcando 28,33% em fevereiro. As regiões Norte e Nordeste terão armazenagem em 99,6% e 94%, respectivamente, já no Sudeste/Centro-Oeste corresponderá a 69%.

O documento sinaliza ainda que a carga de energia do Sistema Interligado Nacional (SIN), comparada a maio de 2021, terá alta de 1,8%, com montante de 68.815 MW médios. A região Sudeste/Centro-Oeste indica alta de 2% e 39.910 MW médios. O subsistema Nordeste apresentará um crescimento de 3,6% e 11.305 MW médios. Na sequência, o Sul terá aumento de 1,5% e 11.720 MW médios. O Norte permanece em variação negativa de 2,5% e 5.880 MW médios. A região ainda sente os efeitos de uma redução parcial de um consumidor do mercado livre de energia.

Fonte: ONS

Compartilhe: